16/08/2017

O maior rival do Atlético é... o Atlético!

Alisson Millo*

Ao fim da partida desse domingo, em entrevista à Rádio Itatiaia, Luan apontou o Flamengo como maior rival do Atlético. Não que o 'Menino Maluquinho', exemplo de dedicação em campo, esteja todo errado. Vencer o rubro negro-carioca tem um gosto todo especial, mas, neste momento, o maior rival do Atlético é o próprio Galo. E esse é o obstáculo mais difícil a ser superado pelo time nesta temporada.


A maior prova disso é o fatídico jogo contra o Jorge Wilstermann. Diante de uma equipe limitadíssima, que sequer ameaçou a meta de Victor e não mostrou nada de mais defensivamente, o time alvinegro pouco criou, esbarrou nos próprios erros e saiu do Mineirão debaixo de muitas vaias e com mais uma eliminação na conta. Tudo porque, no jogo de ida, o Atlético conseguiu perder por 1 a 0 de um adversário que, se disputasse o Campeonato Mineiro, talvez brigasse contra o rebaixamento. O Galo não marcou uma vez sequer nos bolivianos e, assim, deu adeus à Libertadores.

Luan lamenta queda na Libertadores
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

No Brasileirão, o cenário não é muito diferente. Mesmo com a vitória e a boa exibição, estamos longe do G6, que é o mínimo que o presidente e nós esperamos. Após várias rodadas na parte de baixo da tabela, ainda há um longo caminho a percorrer para convencer a torcida. Mesmo que digam que atleticano nunca desiste, um Atlético e Flamengo com apenas dez mil pessoas era algo impensável há pouco tempo. Se as esperanças estavam nos mata-matas, elas deixaram de ser realidade em um ano que será perdido de vez caso a classificação à Libertadores não venha.

Humildade no dicionário do Galo

Mesmo mirando a parte de cima, hoje a alegria é pelo time ter se distanciado da zona de rebaixamento. Não que eu acredite que o Atlético vá brigar para não cair, mas nunca duvide da capacidade do Galo de complicar as tarefas fáceis. O perigosíssimo Jorge Wilstermann reafirma isso. Mas vamos com calma, passo a passo, rumo a caminhos menos turbulentos, acreditando e torcendo para que os tempos mais difíceis já tenham passado. Se essa eliminação serviu para alguma coisa foi para colocar a palavra humildade no dicionário de alguns. E é com ela que precisamos encarar todos os times para que novos fiascos não cruzem a estrada alvinegra.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

14/08/2017

Zezé Perrella cotado para o Conselho

Vinícius Dias

Uma reunião nas próximas horas, em Belo Horizonte, deve definir os detalhes da candidatura do grupo de oposição para as eleições do Conselho Deliberativo do Cruzeiro. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, neste momento, o nome mais cotado para encabeçar a chapa é o de Zezé Perrella. O pleito acontecerá no mês de novembro.

Zezé é cotado para chapa do Conselho
(Créditos: Sérgio Rodrigues/Twitter/Divulgação)

O senador, que havia se lançado pré-candidato à presidência do clube em fevereiro, anunciou a desistência há cerca de dois meses, indicando o advogado Sérgio Santos Rodrigues para encabeçar a chapa Tríplice Coroa. Zezé Perrella é aliado do atual presidente do Conselho, João Carlos Gontijo de Amorim, que deixará o cargo ao fim deste ano.

Atual vice-presidente é opção

No início das articulações, o atual vice-presidente do Conselho, Celso Fernandes Tolentino, chegou a ser apontado nos bastidores como provável candidato. Nesta segunda-feira, em contato com a reportagem, Celso evitou se posicionar sobre o assunto, pontuando que está retornando de viagem e prefere ouvir o grupo "para saber em que pé estão as coisas".

Jejum de Rafael Sóbis supera 800 minutos

Vinícius Dias

Atacante mais acionado por Mano Menezes nesta temporada - disputou 36 dos 50 jogos oficiais, 30 como titular -, Rafael Sóbis não tem conseguido repetir suas boas atuações pelo Cruzeiro. Artilheiro da equipe no primeiro trimestre, com nove gols, o camisa 7 balançou as redes apenas duas vezes desde abril. O último gol foi marcado no dia 25 de junho, aos 19' do segundo tempo do duelo contra o Coritiba, válido pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. De lá para cá, são 838 minutos de jejum.

Sóbis: em branco desde o fim de julho
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Nesse domingo, além de passar em branco na derrota por 3 a 2 para o São Paulo, no Morumbi, Rafael Sóbis foi expulso após o apito final pelo árbitro Rafael Traci. Na súmula, o paranaense justificou que o atacante do Cruzeiro reclamou "de forma acintosa do sexteto de arbitragem, dizendo: 'vocês são ridículos, mal intencionados'". Foi a 11ª apresentação consecutiva em que saiu de campo sem conseguir balançar as redes, ampliando seu segundo maior jejum desde a chegada à Toca da Raposa II.

Artilheiro da Copa do Brasil

O camisa 7 voltará a campo na noite desta quarta-feira para o confronto de ida das semifinais da Copa do Brasil, diante do Grêmio, em Porto Alegre. Rafael Sóbis é a principal peça ofensiva à disposição do treinador Mano Menezes para a competição, uma vez que Ramón Ábila foi negociado com o Boca Juniors, que o emprestou ao Huracán até dezembro, enquanto Rafael Marques e Sassá não estão inscritos. Autor de cinco gols em sete partidas, o cruzeirense é um dos artilheiros desta edição.


Raposa já encarou gaúchos em mata-matas cinco vezes, levando a
melhor em quatro; triunfos antecederam três conquistas mineiras

Vinícius Dias

O triunfo por 2 a 0 em Belo Horizonte, com gols de Luan e Douglas, somado ao empate por 0 a 0 em Porto Alegre, valeu ao Grêmio a vaga na decisão da Copa do Brasil do ano passado. Eliminado, o Cruzeiro viu os gaúchos conquistarem o título diante do arquirrival Atlético. Historicamente, no entanto, o clube celeste está em vantagem sobre o tricolor em mata-matas: levou a melhor em quatro dos cinco duelos, que antecederam três de suas maiores conquistas. O sexto confronto terá início nesta quarta-feira, no Mineirão, pelas semifinais da Copa do Brasil.


O primeiro embate em mata-matas ocorreu nas quartas de final da Taça Brasil de 1966. Na ida, empate sem gols no estádio Olímpico. Na volta, diante de cerca de 50 mil torcedores no Gigante da Pampulha, o Grêmio abriu o placar: gol do atacante Vieira, aos dois minutos da etapa final. O Cruzeiro empatou aos quatro, com Marco Antônio, e chegou à virada aos 16', em pênalti cobrado por Tostão. A Raposa ainda passaria pelo Fluminense antes de superar o Santos, de Pelé, e conquistar o título de forma inédita.

Cruzeiro campeão da Taça Brasil de 66
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Arquivo)

Depois de 27 anos, mineiros e gaúchos voltaram a se confrontar. Desta vez, na final da Copa do Brasil. No primeiro jogo, a exemplo do que ocorrera em 1966, empate por 0 a 0 em Porto Alegre. Em Belo Horizonte, embalado por mais de 70 mil vozes, o Cruzeiro levou a melhor. Roberto Gaúcho abriu o placar aos 12 minutos da etapa inicial. O volante Pingo empatou aos 25'. Já no segundo tempo, Cleison marcou aos 20', de cabeça, o gol que confirmou o primeiro dos quatro títulos celestes na competição.

Festa nas quartas da Libertadores de 97
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Arquivo)

A história da Copa Libertadores registra dois duelos. O primeiro, em 1997, pelas quartas de final. No Gigante da Pampulha, a Raposa abriu o placar com gol relâmpago de Elivélton, aos 40 segundos, e ampliou a vantagem com Alex Mineiro, aos 28' da primeira etapa. Na volta, 2 a 1 para o Grêmio. O gol marcado pelo volante Fabinho, no entanto, garantiu a classificação do time celeste, que ainda superaria o Colo-Colo, do Chile, antes de conquistar o bicampeonato diante do Sporting Cristal, do Peru.

Em 2009, o Cruzeiro levou a melhor nas semifinais, mas ficou com o vice, sendo superado pelo Estudiantes, da Argentina, na decisão.

Cruzeiro x Grêmio em mata-matas - histórico:

Taça Brasil 1966 - Grêmio 0x0 Cruzeiro / Cruzeiro 2x1 Grêmio
Copa do Brasil 1993 - Grêmio 0x0 Cruzeiro / Cruzeiro 2x1 Grêmio
Libertadores 1997 - Cruzeiro 2x0 Grêmio / Grêmio 2x1 Cruzeiro
Libertadores 2009 - Cruzeiro 3x1 Grêmio / Grêmio 2x2 Cruzeiro
Copa do Brasil 2016 - Cruzeiro 0x2 Grêmio / Grêmio 0x0 Cruzeiro